quinta-feira, 5 de maio de 2011

Declaração de amor


Roberto Béco Prado, amor de colelgua, mandou esse video.
Porque me conhece bastantinho. Porque sabe bastantinho dos meus amores e dos meus desamores.
Sabe, por exemplo, o quanto eu amo o som chamado jazz, e o quanto eu vomito no que hoje se intitula música prapular brasileira.

Bekão sabe que, from the bottom of my heart, eu não sou brasileira, sou americana.
Gentílico genérico, aqui aplicado com sentido específico, americana quer dizer, no idioma do mundo,
 norteamericana. Of course.
A América Latrina não produz americano, na noção do mundo. Produz latinoamericano, que é outra coisa.

Compilem todos os erros dos americanos, todas as falhas, todas as babaquices, o que quiserem. Atirem as infinitas primeiras pedras. I don't care. Babaquices brazucas me torram muito muito muito mais.

Caminhar pela ruas de NYC, ouvindo a música de NYC. Black music, que seja, toda essa coisera que hoje se remexe no melting pot da música, vá lá. Melhor que o lixo sonoro que hoje aqui se chama sertanejo e, para atestar a sua, abre aspas "nobre" fecha aspas, procedência, aglutina-se-lhe o adjetivo universitário. Procede, uma vez que o nosso nível universitário está abaixo do cu da cobra. Waaay down the snake's asshole, diriam na Bahia. Axé music... another crap by the way.



No último fim de semana, em que desgraçadamente se comemorou o Dia do Trabalho, passei o sábado ouvindo a passagem de som, e o domingo ouvindo o som propriamente dito, de dezenas de escrotices musicais.

Padres cantores, covers do esquelético rock nacional, gospel desvirtuado, breganojo, pagode, imagine toda a casta dos analfabetos musicais que, por terem aprendido rudimentos de um instrumento qualquer que produz som, pensam que fazem música. Para uma plateia de degenerados mentais que pensam que estão ouvindo música.

Aliás (parênteses superimportante), os caciques que autorizam toda essa lepra sonora, que assola o Centro Cívico em datas co-merda-morativas, deviam botar a mão na consciência (difícil botar a mão naquilo que não se tem, mas que vá) e reduzir a nhaca pra um terço, um quarto, das nefastas horas atualmente permitidas. Melhor: transferir os festivais de nojeira para o sítio da Praça Rui Barbosa, que tal?

Imagina isso: a passagem de som começa no sábado, às 07h30 da matina, pleno volume e, obviamente, se estende pelo tempo que todas as lacraias precisam pra completar a nhaca.

No glorioso domingo a gente é derrubado da cama pelo bradar histérico-ansioso daquele padre. Sabe quem, não é? Deve saber. Tem dúzias por aí. Breganojo frustrado que achou, na maldita missa cantada, um outlet pra todo o lixo que reverbera em suas entranhas, a que ele provavelmente chama talento e inspiração divina.

Padre cantor, compositor, tocador de viola, o raio, devia ser excomungado. Já não bastam os pederastas e pedófilos que a Santa Madre nos empurra goela abaixo??? Vão sifu.

E aí a coisa flui. Como um vasto e caudaloso rio de merda sonora, domingão adentro e afora.

Você mora no Centro Cívico ou imediações? De duas, uma: ou você faz parte da legião dos nanicos mentais e se delicia com a podreira, passando o final de semana em estado de desgraça, ou você faz parte das magras falanges das pessoas de bom gosto, e se martiriza hediondamente durante um interminável final de semana, em que seus tímpanos são estuprados seguidamente por sons asquerosos, horríveis, e nojentos.

Quem permite que isso aconteça, comete vários crimes ao mesmo tempo, um deles o de emburrecer ainda mais o povaréu ignaro. Coisa bem triste, a que quase ninguém dá a devida importância.

Eu? Passo o final de semana toda com meus ouvidinhos tamponados por silicone. Obrigando MyLove a me catar toda vez que quer dizer alguma coisa, sussurrando um delicioso e impaciente "Venha aqui, surdinha!"

Well, é preciso tirar alguma pérola desse chiqueiro sonoro...

Então, pra fechar a ideia: imagine o que seria trocar essa plêiade de párias musicais, pelos músicos de rua de New York, especialmente pelos jazzistas? Seria como se eu tivesse um ponto G em cada ouvido, mais ou menos.

Por isso, e não só por isso, junto-me devotadamente ao coro dos bem-aventurados que declaram:

♥  New York

Obrigada, Bekão. Doce de pessoa. Com filhos liiindusss. Família Prado: gente boa da melhor qualidade.

A agora, para algo completamente delicioso, Ella the diva, and Louie, the Satchmo, cantando o que os meninos do vídeo lá em cima estão brincando: Stompin' at the Savoy, um big band classic, escrito em 1934 pelo saxofonista Edgar Sampson (w/ Benny Goodman, Chick Webb?), em homenagem ao Savoy Ballroom, uma espécie de "gafieira", mutatis mutandis, no Harlem, onde blacks & whites se entendiam perfeitamente, vivendo jazz.






Savoy, the home of sweet romance
Savoy, it wins you with a glance
Savoy, gives happy feet a chance
to dance

Your form just like a clinging vine
Your lips so warm and sweet as wine
Your cheek so soft and close to mine
divine

How my heart is singing
While the band is swinging
Never tired of romping
And stomping with you at the Savoy

What joy  a perfect holiday
Savoy, where we can glide and sway
Savoy, there, let me stomp away 
with you


11 comentários:

  1. I could sometimes sing like him but not play the trumpet, if you know what I mean!

    THX

    Louie

    ResponderExcluir
  2. declaração no melhor estilo Capitã Nervosa Nascimento... kurti os dois videos... e já que vc está chutando 1/2 mundo, vou trazer uma notícia para chutar a outra metade também...

    CANTOR MORRONE TEVE ALTA, PASSA BEM E DISSE QUE VOLTA AS ATIVIDADES NORMAIS DAQUI UMA SEMANA. PUAH!

    http://www.estadao.com.br/noticias/geral,marrone-recebe-alta-apos-queda-de-helicoptero-em-sp,714763,0.htm

    jopz

    ResponderExcluir
  3. San já que o assunto é musica veja só isto, http://youtu.be/I7Skcw1j0Pk, não é uma coisa de pelar o saco de qualquer mortal.

    ResponderExcluir
  4. I LOVE IT!
    I LOVE IT!
    GREAT!
    WONDERFUL!
    LOUIS AND ELLA,FOREVER!
    AND I HATE PRIESTS SINGERS,COUNTRY AND OTHER ILLS.
    I'M WITH YOU, SAN

    ResponderExcluir
  5. aloooookos... luan santana cantando o hino nacional? pelo menos a versão da vanusa estava + divertida... essa do luan só produziu lágrimas... e não são de emoção... pura tristeza.

    ;-(

    JOPZ

    ResponderExcluir
  6. Hummm... stomping at the Savoy! É um dos meus temas preferidos... Vou procurar no youtube-e-quetais...

    ResponderExcluir
  7. Oie, queridão!
    Tudo?
    Saudade!!!

    ResponderExcluir
  8. Louie, Jopz, Urbs, Bia,
    feliz com a sua companhia, obrigada, bjos.

    ResponderExcluir
  9. Saudades San! Tenho postado mais no Facebook, por que você não aparece por lá? (ando com preguiça de atualizar o blogue hehehhe)
    Beijos,

    ResponderExcluir

O que você acha?