quarta-feira, 8 de outubro de 2014

a esquerda de cu_ritiba
Nesta cidade do cudomundo, a intelecalidade acha bonito ser de esquerda. A maioria das mulheres gay acha bonito ser de esquerda. A pessoa que nao tem nada na cabeça acha bonito ser de esquerda. Mesmo nao sabendo nada sobre lado nenhum, mesmo nao tendo absolutamente nada a acrescentar a lado nenhum, essa gente escolhe ser de esquerda. Por quê?

1. Os intelecas, porque acham que todo inteleca tem que ser revolucionário e que todo revolucionário tem que ser de esquerda, ir contra o estabelecido, contra o capital que arrima tudo o que eles tem e sao na vida. Esses caras sao uma fraude. Nao prestam serviço nenhum à arte, nem à política. Entendem tao pouco de um assunto quanto do outro. Ficam pela aí fazendo poeminhas, falando coisinhas, subindo colinas e descendo montanhas. Nem uma única linha do que escrevem, nem uma única frase do que dizem, passa do medíocre.

2. A maioria das mulheres gay, porque, diferentemente dos homens gay, se sentem duplamente minorias: por serem mulheres e por serem gay. A maioria dos homens gay nao se engaja nessa bobageira, fica satisfeita em lutar pelo respeito à sua sexualidade, no que faz muito bem. Já as sisters engajadas, militantes, nao se contentam em lutar pelo respeito à sua sexualidade, querem mostrar que sao fodonas, mais homens que muito homem. E para isso juntam a militância sexual com a política. O que, fatalmente, inclui ser de esquerda. Assim, elas já aproveitam para se enquadrar com os intelecas.

E aí dá-se aquela mistureba de intelecas com sapatonas, todos jogando merda na Geni capitalista e vivendo uma vida totalmente capitalista. Alguns viajam de avião por toda parte, querem morar no Rio, ou moram em cobertura aqui no cudomundo mas nenhum, nenhum deles, fica a fim de dividir seu apê com os sem-tetos, como se fazia - compulsoriamente - no regime comunista que eles tanto fingem idolatrar. Essa posiçao pseudo-socialista desse pessoal quer, na verdade, dizer o seguinte:
"Exijo que a sociedade faça o papel socialista que eu defendo ideologicamente mas nao assumo como princípio de vida".

(Abre parênteses: quando eu digo "sapatonas" isso nao significa nenhuma ofensa ou desrespeito à sexualidade das mulheres gay, estou apenas sendo democrática e usando um termo com o qual elas próprias se tratam, em alguns círculos, principalmente no artístico. Já ouvi muitas gay chamarem a Mart'nália de "sapatona maravilhosa". Desconfio que seja para designar a orientação predominante da personalidade. E até concordo: a Mart'nália é uma sapatona maravilhosa, curto muito a artista. Fecha parênteses). Retomo o assunto inicial.

3. A pessoa que nao tem nada na cabeça porque, na sua simploriedade, está "convenfida" de que "o pt fez os pobres ir nos shoping chik", conforme comentário que li, dia desses, no feice de uma curitiboca petusca. Ah, nada mais sensacional do que pobre dar rolê em shoping chik, certo?
Entao, Joazinho 30, a bicha carnavalesca gloriosa, estava certa: "pobre nao quer lixo, quer luxo!" Se você dá ao pobre a ilusao de que "dar um rolê no shoping chik" é luxo, ele vota em você o resto da vida. Junte isso ao bolsismo dominante e teremos a felicidade completa. Panis et circenses, já diziam o Juvenal, os Mutantes e o Caê.

Resumindo: nao, pessoas beligerantes, nao sou homofóbica. Ao contrário, sou a favorzíssima do casamento civil e da adoção de crianças pelos casais homoafetivos, e do respeito a todo tipo de família. Sou a favor disso desde que soube que existia essa situação no mundo, quando eu era adolescente em colégio de freira e uma amiga do colégio se apaixonou por mim. Tadinha, era linda e meiga mas eu era - e continuo - hétero, não que eu tenha lucrado emocionalmente com isso.
Acho, enfim, que esses três tipos de pessoas que eu - prosaicamente - arrolei, seriam muito mais respeitáveis se nao se atirassem feito homens-bomba na defesa de qualquer porcaria com rótulo esquerdista. Sabe? coisa como defender a eficiência do PT, ou continuar votando no partido dos trabalhadores depois de TUDO o que a gente viu, e repetindo que os outros partidos nao prestam.

Nenhum partido presta, nenhum político presta, ninguém se joga numa campanha eleitoral, coisa absolutamente cara e desgastante, por amor ao próximo ou vontade de fazer o bem sem olhar a quem. Isso, senhoras e senhores, nao existe. Quando o bom e velho Ari (384 aC) falou que "o homem é um animal político" ele matou dois coelhos com uma só caixa d'água (provérbio petista) e nem sabia. O homem é um animal político, mas é muito mais animal quando é político (San, século 21).

Chegando aos finalmentes, o que importa num momento como o de hoje é que: o partido dos trabalhadores (que nao é dos trabalhadores e sim dos chefoes que o comandam), está no poder há 12 anos e isso nao deve acontecer com partido político nenhum. Você nao gosta do Aécio? Muito bem. Você nao gosta do PSDB? Muito bem. Mas nao seja ingênuo, insensato: nao deixe o mesmo partido político mandar no país por 16 anos, 20 anos! Criamos o populismo tupiniquim entao? Deus que ataie!

Vote Aécio, e depois nao vote Aécio. Mas se você votar PT... provavelmente vai votar de novo daqui a quatro anos. Eles terao tomado conta de 100% do seu cérebro e da sua liberdade. Nao se entregue a partido político nenhum, a nao ser que você vá dividir as malas com eles. Caso contrário, faça a fila andar, larga mao de ser bobo.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Rodando a bolsinha nas esquinas da publicidade

Comentava eu, com um amigo publicitário, sobre a mediocridade que assola a publicidade em Pindorama, a pobreza criativa de recentes campanhas, quanto déjà-vu requentado querendo-se passar por novidade saída do forno etc etc. Ele:

"As agências colocam uma garotada mal saída das fraldas com um feitor mais velho, de confiança do dono. E não querem gastar mais nada."

Essa é a real. Quando nao isso, o orçamento de campanhas que pretendem mobilizar meio mundo, à custa de quebrar o porquinho. Ah, tem dó!



Além da eterna questao monetária, enfrenta-se o fato de a publicidade hoje nao se importar com o fator educaçao - como pareceu se importar num momento passado - mas, apenas, com o "atingir a classe média factóide do PT", que continua pobríssima na formaçao intelectual, mas se espicha, contorce e passa fome, a fim de parecer com a classe média média mesmo, consumindo o que, a rigor, nao poderia.

Essa classe média postiça (que tem no carro com sonzera sua prioridade absoluta) curte o brega, o chulo, o obsceno, o ridículo - como fez desde sempre - e os publicitários atuais dirigem-se a ela, a essa classe média postiça, dando-lhe o que ela entende e gosta: gritaria, bunda, cerveja, jogador de bola brega-celebrity, som techno-brega e breganejo batizado "universitário", como uma compensaçao moral do tipo "ei, a gente cantamos porcaria brega mas a gente samos univerçitarios".

Mal sabem eles que, no nível em que se encontram as nossas universidades, pouca diferença faz eles serem ou nao "universitários". Fizesse diferença eles, os bregas, jamais usariam essa palavra para se autoclassificar. Seria o mesmo que meter o Jeca Tatu num smoking.

É a essa categoria de público que os publicitários brasileiros se dirigem hoje e, por mais que em sua maioria esses profissionais detonem o PT e seus asseclas, é para a cultura de massa petista que eles desenham suas campanhas, sua linguagem, as trilhas dos seus filmes. Nós outros, tristes espectadores da história, apenas engolimos com farinha a torrente de dejetos culturais que se produz hoje neshtepaiz, e sabe-se lá até quando.



Um mero exemplo do talento criativo a que nos referimos 

Logo do colégio católico N. S. da Assunçao, de Curitiba: um coraçao-bunda usando uma tanguinha, duas maos bobas querendo dar uma pegadinha, bafinho suspeito saindo pelo rego. Verdadeiro primor. Porém, como eu sempre digo, mais idiota do que quem cria caca, é quem aprova caca. Taí. Mas enfim, do jeito que anda o catolicismo, até que existe uma certa coerência na coisa.





sexta-feira, 5 de julho de 2013

Quinta à noite teve jazz no museu do Vei Nima

Fornos, segurando seu prezadíssimo


Foi muito bom e muito ruim. Grandes talentos e grandes mediocridades tudo junto e misturado. Renderia dois programas: um soberbo, e outro pra quem só está a fim de agito. Produção de Maurício Cruz and the other guy, o Rodrigo Fornos. O que também é bom e ruim. 


Mauricio Cruz 
É uma enciclopédia de jazz. Há uma data assina o programa Cena Jazz, atualmente na fm 97.1,  um dos melhores programas jazzísticos do país, sem exagero. Um apaixonado por jazz, o que se revela por suas palavras e atos, inclusive e principalmente quando ele está em cena. O Mau não toca nem canta. Diz o que sabe e o que acha das coisas, com muita propriedade, sem encher o saco da plateia. É engraçado, interessante, elegante. 


The other guy
O mesmo já não se pode dizer do senhor Rodrigo Fornos. Que também não toca nem canta, mas... acha que canta, o suficiente pra se apresentar em público. Até aí, daria para relevar, afinal, atire a primeira pedra quem nunca sonhou em dar uma cantadinha da sua bagaça favorita. O problema é que o Fornos força. Força a ponto de tornar visível que ele toma partido do seu posto na produção para se autopromover como cantor, coisa que ele - definitivamente - não é. Arrumou uma vitrinona pra exibir a sua falta de talento e de tato.


Rodrigo Fornos 
É uma pessoa de bom gosto musical, com muita vontade de cantar. Pecado nenhum, desde que ele não se impusesse da forma como se impõe. Ele até poderia dar uma cantadinha de vez em quando, seria aceitável. Afinal, ele não é exatamente horroroso cantando, apenas medíocre. Mas, ficar o tempo todo atropelando os músicos com a sua insistência, é dose pra leão surdo. 


Os músicos não ligam
Ser músico – bom – aqui em Curita, é jogo duro. O cara tem que se sujeitar muito: ter outro trabalho (dito sério), tocar em shopping, tocar em casamento  - brega ou não -  em batizado, quermesse, bar mitzvah etc, dar graças pelas parcas produções que aparecem, estar habituado às agruras de ser músico sério numa cidade em que isso é um luxo caríssimo. Vai embirrar com produtor de show? Not ever. Jamé delaví. Vai, isso sim, dizer amém a todo produtor que acenar com uma oportunidadezinha.


Bullying
Nesse aspecto, o senhor Rodrigo Fornos pratica o bullying musical. Assenhorou-se do programa do MON como o piá que agarra na loja o brinquedo que nem pode comprar, nem quer largar. Acredite, ele alegremente amordaçaria o Mauricio Cruz e o deixaria esperneando backstage, pra poder fazer tudo sozinho: apresentar o show, comentar, fazer piadas, rir, cantar, se aplaudir. E saltitar de um lado ao outro do palco sem parar, numa versão jazzístico-emepebista-tupinambá de Mick Jagger.


Tragicomédia
O que eu assisti ontem foi tragicômico: Rodrigo Fornos, o arquétipo do vilão de desenho animado. Só faltou a gargalhadinha sádica. Porque, cidadãos, fazer o  que ele fez com um Artista, com A maiúsculo, do gabarito de um Gebran Sabbag, é coisa para o Dick Vigarista, no mínimo. Que pessoa sem compostura, o sr. Rodrigo Fornos!


Gebran Sabbag
É, seguramente, um dos maiores jazzistas vivos. O que ele faz no piano está sobejamente acima de qualquer - anota aí, qualquer, qualquer - pianista brasileiro, de qualquer época. Ontem ele abriu sua participação tocando Yesterday, numa das mais belas, elaboradas e sensíveis versões dessa melodia, desde sempre. Impecável. Coisa pra você prender o fôlego e só lembrar de respirar de novo depois de ele ter acabado de tocar. Um momento solene, pra quem gosta de jazz, de boa música, de arte verdadeira.


Que me perdoem (ou não) todos os tecladistas de Curitiba 
Não tem pra ninguém. Gebran Sabbag merecia um show inteiro no MON, no Blue Note, em Montreux, em qualquer lugar do mundo entre os maiores nomes do jazz. O que nós temos aqui, senhoras e senhores, é coisa que não vai se repetir num século, pelo menos.


Uma grande lástima que ninguém enxergue isso 
Tendo em mãos os meios para produzir um show memorável, é triste que a produção se torne refém da tentação rasteira, mesquinha, esfarrapada, de trazer ao palco um artista da estatura de um Gebran Sabbag para acompanhar ao piano um produtone de pouquíssimas luzes com uma penosa e indisfarçada aspiração de ser artista. A plateia não pode ouvir Gebran Sabbag em nenhum solo, pois o cantor (!) repetia as músicas, começo após o fim, just in case a plateia sentisse que a cantoria estava pouca. Olha, se fosse um Tony Bennett daria pra relevar o estrelismo... até porque o Inglês seria bom.

Não satisfeito com a trolada, o senhor Rodrigo Fornos cometeu, com outro músico do show, uma outra gafe que lhe passou totalmente despercebida. Aliás, seu estado de euforia poderia fazê-lo andar sobre alguém no palco, sem notar.  E tem mais: lá pelas tantas, o sr. Fornos anunciava os apoios comerciais com gritinhos e a atitude corporal de quem está tirando sarro do patrocinador. Os limites da informalidade passaram para o território do soltou a franga. 


Olha só
Cris Tarran cantou acompanhada pelo Fernando Montanari. Chegada a sua vez de cantar (!), o sr. Fornos anunciou que o faria acompanhado pelo Gebran Sabbag, e achou bonitinho ou conveniente contar que a Cris Tarran,quando soube disso, teria gritado, histeriquinha: "Ai, o Gebran??? Ah, eu também queria cantar com o Gebran!!!!!" 

Ele bradou isso em público e só faltou acrescentar "Sideu mals, boneca! Vais cantar com o Montanari!"


Dureza
Eu cumprimento o Maurício Cruz 1) pela iniciativa do projeto. Acho que, assim desse jeito, mesmo com o compadrio que rola, ainda é melhor do que nenhuma iniciativa. A gente sabe o quanto é dureza conseguir qualquer coisa referente a cultura neste país, nesta cidade.

Num papo mais sério, o projeto devia limar as pretensões domésticas, ignorar a suscetibilidade das parentas e dos parentos que não jogam nada e querem massagem, e dar um espaço realmente justo e digno para verdadeiros talentos, peneirar um pouco. Ontem cada um de nós na plateia teve o céu e o inferno por um quilo de alimento não perecível. O lance com a Provopar é boa jogada, mas pode melhorar. Tem muita gente boa aqui, é só escolher melhor, não misturar alhos com bugalhos.

Eu cumprimento o Mauricio Cruz 2) por dividir o palco com o seu co-host. Toma um Dreher, Mau!


Sugestão
Mauricio Cruz, que tal chamar o excelente maestro Norton Morozowicz para tocar com Gebran Sabbag e o super Endrigo Bettega, em memória do antigo trio Ludustertius, brilhantemente composto, nos idos de 70, por Gebran Sabbag no piano, o garoto Norton Morozowicz no baixo acústico e o saudoso Guarani Nogueira na percussão?






quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Moooito massa

Curto total os caras amarelas. E o Canvas manda bem demais, hein?
Porreta!

Dave Brubeck

No 5 de dezembro de 2012, mesmo dia que o Nhanhomeyer encarou a rampa para Alhures do Sul (© nao meu), o Dave também tomou o bonde. No dia seguinte ele faria 92 muito bem vividos anos. Mas morreu  do coração, a caminho de uma consulta com o seu cardiologista. Deixa uma obra de porte, com um trabalho consistente e muitos títulos e prêmios. Era além de tudo, um benfeitor.

Em 1951, aos 30 anos, surfando no Havaí, Dave sofreu um acidente no qual foi dado por morto pelos paramédicos que o socorreram. Tendo danificado várias vértebras da sua coluna, ele sobreviveu, mas sofria de dores nos nervos das mãos, o que o levou a desenvolver seu jeito peculiar de tocar piano.

Aqui ele com Take Five, peça supercool do Paul Desmond, no inusitado tempo 5/4, que The Dave Brubeck Quartet imortalizou, apresentando ao vivo e regravando várias vezes ao longo de sua carreira de sucessos.
Dave Brubeck - piano   Paul Desmond - Alto saxophone
Eugene Wright – bass   Joe Morello – drums

Dave Brubeck é "o herói do jazz na era do rock'n'roll". Isso o torna ainda mais especial para esta que vos tecla. Vai com Deus, Dave. Valeuz muito! Em vez de tu, podia ter ido uma renca de breganejos universiotários. Mas o mundo é esse cocô.